quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Justiça manda prefeito de Campo Novo retirar vídeos ofensivos publicados nas redes sociais

Às vésperas da Eleição 2016 o atual prefeito de Campo Novo do Parecis, Mauro Valter Berft (PMDB) surpreendeu após gravar e mandar publicar no Facebook um vídeo onde calunia, difama, ofende e diz inverdades sobre o candidato a prefeito Clovis de Paula (PSDB). O Tribunal Regional Eleitoral (TRE/MT) mandou Mauro e seus correligionários retirarem de seus perfis e páginas no Facebook, o vídeo repleto de ofensas e afirmações caluniosas.

Surpreendeu por se tratar do prefeito de uma das cidades mais importantes de Mato Grosso e na condição de chefe do Executivo Municipal por oito anos não se esperava uma conduta agressiva e disseminadora de inverdades sobre qualquer pessoa, ainda que em tempo de eleição. Mauro apoia a candidatura de Edlamá Batista Marques, a Dila (PR).

A decisão da juíza eleitoral Cláudia Anffe Nunes da Cunha foi proferida nesta segunda-feira, 26, com liminar determinando que o material ofensivo seja excluído imediatamente das redes sociais e que sejam impedidas novas postagens do mesmo conteúdo. A decisão também vale para o próprio Facebook.

A juíza utilizou como base para acatar o processo, movido pelas advogadas de Clovis de Paula, Maria Rosemar Buratti e Adriane Theodoro de Moraes, o previsto na Lei nº 9.504/1997 e na Resolução 23.457/2016 que tratam da legislação eleitoral, inclusive da publicação de conteúdos ofensivos nas redes sociais.

“Verifico, pelo vídeo apresentado, que a fala do então prefeito excede ao mero debate político acalorado e transborda para os ataques pessoais, com declarações ofensivas ao representado [Clovis de Paula]. Portanto, vislumbro, em cognição sumária, esteja suficientemente evidenciada a razão do direito invocado pelo representante”, diz a juíza eleitoral.

A juíza, além de pedir a suspensão imediata do vídeo, determina que no caso de descumprimento seja aplicada multa de até 30 mil reais ao prefeito Mauro Berft.


“DEFIRO o pedido liminar de suspensão de divulgação do vídeo (...). Notifiquem-se os representados para que retirem imediatamente o vídeo (https://www.facebook.com/lapo.coelho.9/videos/179928099100682/) da rede social Facebook, e se abstenham de publicá-lo novamente em outros meios de comunicação, até segunda ordem, sob pena de multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) por exibição, limitada a R$ 30.000,00 (trinta mil reais)”, diz trecho da decisão judicial.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Em depoimento, policiais confirmam que Rafael fazia campanha irregular quando foi flagrado por promotor

Em depoimento ao MPE, policial confirmou que Rafael, Dhemis e PIM
faziam campanha irregular na Cia de Polícia Militar
Foto: Reprodução MPE/MT
Em declarações feitas durante depoimentos ao promotor eleitoral de Campo Novo do Parecis, Luiz Augusto Ferres Schimith, dois policiais militares confirmaram que o candidato a prefeito Rafael Machado (PSD) estava de fato fazendo campanha política irregular no interior da Companhia de Polícia Militar da cidade.

Os termos de declaração, assinados pelos policiais, fazem parte do processo que tramita na Justiça Eleitoral onde o Ministério Público Estadual (MPE) denuncia Rafael Machado pela prática de crime eleitoral, pede que o mesmo seja multado e que seja cassado o seu registro de candidatura.

"Que o declarante [policial militar] achou estranho o discurso político dentro da Companhia da Polícia Militar, mas ficou no local pois é subordinado e cumpre ordens”, diz trecho da declaração de um deles.

O policial confirmou ainda que Rafael possuía propaganda eleitoral grudada na camiseta e que “a reunião estava ocorrendo a portas fechadas para que o barulho da cozinha não interferisse na fala das pessoas [candidatos] que iriam discursar".

O outro policial militar disse ainda que Rafael declarou ser candidato desconhecido e queria se apresentar aos agentes de segurança com o intuito de convencê-los ao voto. “O declarante [policial militar] acredita que o candidato Rafael possa ter tido uma informação privilegiada", diz trecho da declaração do segundo policial.

Ainda de acordo com o depoimento, em nenhum momento o Tenente Coronel Antonio Givaldo de Souza, comandante da PM, pediu para que o candidato Rafael saísse do local, em descumprimento ao que determina a Legislação Eleitoral. Inclusive, quando o promotor eleitoral chegou, o comandante da PM estava posicionado ao lado de Rafael, enquanto este discursava.
O próprio promotor eleitoral fotografou candidato
assustado após ser flagrado em ato ilícito

 O CASO
O fato ocorreu no dia 14 de setembro, Rafael Machado foi flagrado pelo próprio promotor eleitoral, que reside ao lado da Companhia de Polícia Militar, enquanto fazia campanha irregular no local público, o que e estritamente proibido pela Justiça Eleitoral, mais especificamente pelo Artigo 73 da Lei Nº 9.504/97.

O promotor chegou no momento em que Rafael discursava para todos os policiais da Companhia, inclusive aos que estariam de folga naquele dia. O próprio promotor fotografou o candidato Rafael em ato ilícito.

A representação do Ministério Público, com pedido de condenação, tramita na 60ª Zona Eleitoral de Mato Grosso com o Nº 131-18.2016.6.11.0060, sob a responsabilidade da juíza eleitoral Cláudia Anffe Nunes da Cunha.

Rafael Machado contrata empresa que costuma errar, e FEIO, em pesquisas eleitorais

O candidato a prefeito de Campo Novo do Parecis, Rafael Machado (PSD), contratou uma empresa que costuma ERRAR...E FEIO...nas pesquisas eleitorais que realiza pelo interior de Mato Grosso, a Tendency Pesquisas, que possui sede em Tangará da Serra.

Tal empresa prestou serviços a Coligação do candidato do PSD em Campo Novo e colocou o desconhecido candidato em primeiro lugar disparado na pesquisa, com mais de 43% das intenções de voto. O mirabolante resultado virou alvo de piada nas redes sociais e foi até publicado em jornal de Tangará da Serra.

A Tendency é conhecida por errar em quase todas as pesquisas eleitorais que realiza. E de fato, os números da empresa são bem duvidosos em boa parte das pesquisas que realiza.

Em 2012, a Tendency errou feio em Guarantã do Norte (MT). Em pesquisa realizada na ocasião, há três dias da eleição, a Tendency colocou o candidato Chico do Garimpão com 41,34% das intenções de voto e sua adversária Sandra Martins com 34,40%.

Porém, o resultado foi completamente diferente do apresentado na pesquisa. A candidata Sandra Martins recebeu 63,24% dos votos, ou seja, 30% a mais que a projeção da Tendency.
Sandra foi eleita e Garimpão recebeu apenas 36,76% dos votos válidos.

Empresa errou feio em 2012. repare na imagem que candidata teve 30%
mais votos que o projetado pela Tendency e venceu a eleição.
A mesma empresa errou, ainda em 2012, quando disse, também as vésperas da eleição, que Darcy Capistrano venceria a eleição em Diamantino com mais de 40% dos votos. Seu principal adversário, Joviano Lincoln aparecia com meros 15,7%.

Todavia, mais uma vez a pesquisa da Tendency foi por terra: Joviano venceu a eleição sobre Capistrano após receber 20% mais votos que o apresentado na projeção da Tendency Pesquisas.

Tendency também errou feio em Diamantino em 2012.
Repare que Lincoln apareceu com 15% das intenções de voto, mas foi eleito com 33,88%.




Pesquisa aponta Clovis de Paula liderando corrida para prefeito de Campo Novo do Parecis

Pesquisa de intenção de votos Campo Novo do Parecis
Fonte: IMMAPEQ
O candidato a prefeito de Campo Novo do Parecis Clovis de Paula (PSDB) aparece em primeiro lugar em pesquisa de intenções de votos divulgada nesta segunda-feira, 26, pelo Instituto Mato-grossense de Marketing e Pesquisas.

Clovis de Paula lidera com 31%, seis pontos percentuais à frente do segundo colocado e 12 pontos percentuais à frente do terceiro colocado. Não foi divulgado se é Dila ou Rafael quem está na segunda posição.


A pesquisa foi realizada nos dias 21 e 22 de setembro. No total, foram 300 entrevistados. A pesquisa está registrada no TRE sob o Nº MT-06169/2016 e tem margem de erro de 5%.

Campo Novo: Promotor flagra candidato a prefeito fazendo campanha irregular e pede cassação do registro de candidatura

Candidato a prefeito de Campo Novo do Parecis, Rafael Machado (PSD) e seu vice Dhemis Rezende Marques (PV) foram flagrados pelo próprio promotor
 
                 Candidato Rafael se assusta quando promotor entra em sala onde ocorria a campanha irregular

                                        Foto: Reprodução Promotoria Eleitoral de Campo Novo do Parecis
 
O Ministério Público Eleitoral, através do promotor eleitoral Luiz Augusto Ferres Schimith, da Promotoria de Campo Novo do Parecis (396 km de Cuiabá) flagrou o candidato a prefeito Rafael Machado (PSD) e o candidato a vice-prefeito Dhemis Jackson Rezende Marques (PV) fazendo campanha no interior da Companhia da Polícia Militar do município, o que é proibido pela Legislação Eleitoral.

Schimith ofereceu representação contra os envolvidos e pediu a cassação do registro de candidatura da chapa de Rafael e Dhemis. Também são citados na representação o Tenente Coronel da Polícia Militar Antonio Givaldo de Souza, comandante da PM de Campo Novo do Parecis e um dos coordenadores de campanha de Rafael, o empresário Sebastião Carlos Pim.

Fotografias foram feitas pelo próprio promotor eleitoral

 O fato ocorreu no dia 14 de setembro de 2016, mas só veio à tona nesta segunda-feira, 26.

Na representação, o promotor eleitoral explica que o Artigo 73 da Lei Nº 9.504/97, proíbe a cessão e uso de bens móveis e imóveis pertencentes à administração direta ou indireta da União, Estados e Municípios. “A conduta descrita é vedada e se traduz num ato ilícito eleitoral, sendo necessária responsabilização tanto do agente público quanto dos candidatos Rafael Machado e Dhemis Marques”, diz trecho da representação.

O promotor narra que nessa data, no período matutino, entrou na sala de reuniões da Companhia de Polícia Militar e flagrou a reunião entre os candidatos do PSD, o comando da PM e a maioria dos policias militares lotados em Campo Novo. “Rafael Machado discursou para os policiais militares, se apresentando como candidato a prefeito, com adesivo de propaganda eleitoral colada na sua camisa”, descreve o promotor. “A exposição de Rafael aos policiais militares foi interrompida com a chegada deste promotor eleitoral”, continua.

Segundo consta no processo, o Ministério Público Eleitoral instaurou Procedimento Preparatório Eleitoral (PPE) e entrevistou policiais que confirmaram o ato de campanha eleitoral no interior da Companhia da PM. “A conduta descrita é vedada e se traduz num ato ilícito eleitoral, sendo necessária a responsabilização dos envolvidos”, reitera o promotor.

Na representação, o promotor Luiz Augusto Ferres Schimith solicita que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) aplique multa entre 5 mil e 100 mil UFIR (Unidade de Referência Fiscal) e que Rafael e Dhemis tenham o registro de candidatura cassado. Ele solicita ainda que o Comando Geral da Polícia Militar de Mato Grosso substitua o comandante da PM de Campo Novo, Antonio Givaldo de Souza.


A representação, com pedido de condenação, tramita na 60ª Zona Eleitoral de Mato Grosso com o Nº 131-18.2016.6.11.0060, sob a responsabilidade da juíza eleitoral Cláudia Anffe Nunes da Cunha.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Pesquisa revela que eleição será decidida nas últimas duas semanas em Tangará da Serra

Junqueira, Reck e Vander estão ambolados na disputa
Reprodução Diário da Serra
A pesquisa de intenção de votos para prefeito de Tangará da Serra realizada e divulgada pelo jornal Diário da Serra mostra que a eleição será decidida na reta final. Os três principais candidatos, Fábio Junqueira (PMDB), Reck Júnior (PSD) e Vander Masson (PSDB), aparecem embolados, tecnicamente empatados, considerando a margem de erro.

Quem esperava uma arrasadora diferença de Junqueira para os demais candidatos se enganou. O atual prefeito, que engorda uma estrondosa rejeição de mais de 35%, vê seus adversários pelo retrovisor e já estuda mudar a estratégia de campanha.

Reck Júnior, que saiu do ostracismo e se transformou numa pedra no sapato de Junqueira, adotou uma estratégia de ataque, bate e esconde a mão, é a principal surpresa. Apesar de humildemente achar que Reck adotou uma estratégia de mídia errada e que ficará em terceiro na votação, Reck me surpreende.

Vander Masson (PSDB), aparece em terceiro. O candidato tucano adotou uma conduta de 'paz e amor' na campanha e não entrou em conflito com Junqueira como Reck. A estratégia tucana é bater em cima de propostas e não de ataques aos adversários. A rejeição de Vander é a menor entre os entrevistados, com apenas 4,5%.

Sílvio Smmavilla (PDT) aparece em quarto com 2,8% das intenções de voto, mas na minha opinião deverá atingir uma média de 5% dos votos válidos, pois deverá agremiar votos do PT de seu vice Júnior Pimenta, que possui mais de mil filiados em Tangará da Serra.

Embolados, Junqueira, Reck e Masson vão para o tudo ou nada nos últimos dias de campanha. E olha que eles só tem mais de 10 dias de propaganda eleitoral em rádio e TV e mais 12 ou 13 dias para pedir voto gastando a sola do sapato.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Justiça obriga Parecis.Net a publicar direito de resposta de Clovis de Paula desmentindo Chiquinho

Reprodução Parecis.Net
A Justiça Eleitoral acatou recurso do candidato a prefeito de Campo Novo do Parecis, Clovis de Paula (PSDB), e concedeu direito de resposta ao candidato tucano no site de notícias Parecis.Net.
Na reportagem, Clovis desmente Chiquinho e mostra verdades escondidas por trás de obras no Jardim das Palmeiras.

Veja abaixo a reportagem completa:

Justiça determina e Clovis de Paula desmente Chiquinho

Uma matéria publicada pelo site Parecis.Net no dia 31 de agosto de 2016 trouxe informações inverídicas prestadas por Francisco Eurípedes de Lima, o Chiquinho, sobre o candidato a prefeito Clovis de Paula. Na matéria, o ex-vice-presidente do PSDB de Campo Novo do Parecis, Francisco Eurípedes de Lima, o Chiquinho, tentou denegrir a imagem do candidato a prefeito Clovis de Paula e ao mesmo tempo elevar a imagem de um de seus concorrentes no pleito eleitoral de 2016. 

Em respeito aos leitores deste portal, o candidato a prefeito Clovis de Paula, com a determinação da Justiça Eleitoral, vem aqui neste espaço dizer a verdade:

Chiquinho foi desrespeitoso e incitou de maneira infame o terrorismo com o intuito único de sujar, de manchar, de macular a imagem de um dos pioneiros desta cidade: Clovis de Paula.

Como houve iniquidade nas declarações de Chiquinho, a Justiça determinou que o site Parecis.Net oferecesse ao candidato Clovis o mesmo espaço para esclarecer três inverdades e a apontar uma verdade explícitas nas declarações mentirosas de Chiquinho:

Primeira inverdade:
O ex-vice-presidente do PSDB, Francisco Eurípedes de Lima, o Chiquinho, em dado momento disse que a executiva do PSDB se negou a aceitá-lo como candidato a prefeito no lugar de Clovis porque Chiquinho é pobre. Eis a primeira inverdade. O PSDB votou pela candidatura de Clovis por entender que ele é neste momento o filiado mais preparado para concorrer a eleição majoritária. 

Espanta-nos as palavras de Chiquinho por dois motivos, primeiro porque o PSDB não distingue a situação social ou financeira de seus candidatos e segundo porque Chiquinho declarou à Justiça em 2014, quando foi candidato a deputado federal, possuir o dobro de bens de Clovis. Enquanto Clovis declarou posses na ordem de R$ 780 mil, Chiquinho declarou em 2014 bens na ordem de R$ 1 milhão e 300 mil.

Além disso, Chiquinho responde a processo na Justiça por incoerências cometidas na prestação de contas exatamente da campanha de 2014 e, portanto, não poderia e jamais seria aceito como candidato do PSDB, que prima pela honestidade de seus membros. Chiquinho teve as contas reprovadas e está inapto a concorrer a cargos eletivos.

Para completar, Chiquinho nem reside em Campo Novo do Parecis e sim na capital do estado, Cuiabá.

Segunda inverdade:
O site repercute palavras de Chiquinho afirmando que Clovis de Paula é o responsável pela não execução de obras de pavimentação no Bairro Jardim das Palmeiras e no Polo Empresarial Parecis, bem como diz que Clovis travou obras da rodoviária. Eis a segunda inverdade. Clovis jamais embargou obras, apenas fiscalizou e apontou falhas que poderiam custar caro aos cofres públicos.

Além disso, vereador não embarga obra, isso cabe a Justiça. A pavimentação do Jardim das Palmeiras, por exemplo, parou por ordem do atual prefeito sob a justificativa de que o período chuvoso impediu a continuidade dos serviços, por isso, a obra parou. “(...) obras se encontrarem suspensas devido período chuvoso”, diz trecho do Ofício 142/2011/03/GP de 21 de março de 2011, proveniente do Gabinete do Prefeito.

Clovis apenas fiscalizou e denunciou para garantir que os moradores do bairro ganhassem um asfalto de qualidade. Inclusive, o recurso que seria desviado, cerca de 483 mil reais, foi transformado em mais asfalto para o bairro, pavimentando mais ruas e evitando que os moradores recebessem uma obra malfeita. 

O caso foi parar, inclusive, no Ministério Público Federal (MPF), que recomendou que o prefeito continuasse as obras, mas sem causar danos aos cofres públicos, que as falhas apontadas por Clovis fossem corrigidas e que os pagamentos à empreiteira suspeita fossem suspensos. “Recomenda ao município de Campo Novo do Parecis (...) que não efetue pagamentos sem atestar qualidade e quantidade da obra, bem como sem a correção das falhas constatadas(...)”, diz trecho da Recomendação do MPF de 04 de março de 2011.

Já sobre a rodoviária, após Clovis cobrar os motivos da obra estar paralisada (Requerimento 352/2012 e Requerimento 010/2013), o prefeito atual respondeu em ofício que a obra parou devido a cortes no orçamento da Caixa Econômica Federal. “Faz-se oportuno mencionar que no ano de 2011, tivemos um contingenciamento pelos ministérios que ocasionaram uma paralisação geral, e isto aconteceu em muitos outros municípios, fato é, que com esse travamento, órgãos como a Caixa Econômica ficaram impossibilitados de liberar recursos, sem os quais não é possível dar andamento nas obras”, diz trecho do Ofício 023/2012 encaminhado pelo prefeito à Câmara Municipal.

Já sobre o Polo Empresarial Parecis vale destacar que, ao contrário do que Chiquinho falou ao site, Clovis jamais travou obras, pelo contrário, é de Clovis e dos demais vereadores da atual legislatura a indicação 028/2013 que culminou na contratação por parte da Prefeitura e um empréstimo de mais de R$ 13 milhões junto ao BNDES que estão sendo usados na pavimentação de ruas do Jardim das Palmeiras e que também irá contemplar com asfalto o Polo Empresarial.

Terceira inverdade:
Chiquinho diz que Clovis de Paula não possui histórico em favor do Município, que age com usura e que criou o Sindicato dos Trabalhadores Rurais para prejudicar os produtores rurais. Está aí a terceira inverdade. Clovis já ocupou nove mandatos eletivos em sua vida, seja em sindicatos, associações e no Legislativo, está há 37 anos em Campo Novo, aqui fincou raízes e aqui transforma sonhos em realidade. Clovis foi presidente-fundador do STR e secretário geral da Federação de Trabalhadores da Agricultura de MT, a FETAGRI, vereador por três mandatos e atual presidente da Câmara. 

Foi através de sua persistência como vereador que Campo Novo ganhou órgãos como a Caixa Econômica, o INSS, a Justiça do Trabalho e o IFMT, além, sem a atuação de Clovis a Prefeitura não teria buscado recursos junto ao BNDES para pavimentar o Jardim das Palmeiras. Clovis jamais agiu com o intuito de causar danos ao erário público, possui ficha limpa e não age em benefício próprio. 

Criou o Sindicato os Trabalhadores Rurais para atuar em defesa do pequeno agricultor e sempre teve boa relação com os produtores rurais, não é à toa que sua candidatura a prefeito conta hoje com o apoio declarado de dois ex-prefeitos produtores rurais, Sergio Stefanello e Jesur José Cassol. Como presidente da Câmara, Clovis já economizou mais de meio milhão de reais, que serão devolvidos para a Prefeitura e deverão virar obras e serviços públicos como Saúde para a comunidade.

Única verdade:
Na matéria publicada há apenas uma verdade. Nas entrelinhas da reportagem, Chiquinho faz campanha escrachada e ilegítima em favor de outro candidato a prefeito, opositor de Clovis de Paula. A conduta correta e honesta de Clovis de Paula é manchada por uma tentativa mesquinha de beneficiar seu adversário, que é defendido de unhas e dentes enquanto Clovis é posto de forma tendenciosa em uma situação que não lhe cabe.

Para finalizar, repito, Chiquinho teve as contas da campanha de 2014 reprovadas pela Justiça Eleitoral, após cometer irregularidades consideradas GRAVES pelo TRE/MT, o que não lhe dá moral suficiente para comentar sobre política e honestidade, age com o intuito único de denegrir a imagem de pessoas como Clovis, que possuem história e serviços prestados a comunidade.

Chiquinho não foi desrespeitoso apenas com a pessoa de Clovis de Paula, mas também com os internautas/leitores do Parecis.Net que agora veem, após uma decisão judicial, que tudo aquilo publicado naquela reportagem não passa de inverdade para prejudicar a imagem do candidato a prefeito Clovis e ao mesmo tempo elevar a imagem de seu adversário.

Agora, que a justiça foi feita e a verdade foi dita, os fatos ficam esclarecidos e Clovis de Paula se exime das acusações e mentiras a ele dirigidas. 

“Desejo apenas que a eleição seja decidida nas urnas no dia 02 de outubro e não com essa conduta irresponsável de uma ou outra pessoa como o Chiquinho que acham que campanha eleitoral se ganha puxando o tapete e atacando os adversários, defendo eleições limpas e que vença aquele que o eleitor entender ser o mais preparado para administrar Campo Novo”, defende Clovis de Paula.


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Jesur Cassol abraça campanha e vai às ruas ao lado de Clovis de Paula

Clovis aposta na força de Cassol
O ex-prefeito Jesur José Cassol, que administrou Campo Novo do Parecis entre 2000 e 2006, abraçou em definitivo a campanha do candidato a prefeito Clovis de Paula (PSDB). Depois de aparecer nos programas eleitorais de Clovis, Cassol agora tem ido às ruas da cidade, participado de reuniões e pedido voto ao candidato do PSDB.

Neste final de semana, Cassol acompanhou Clovis em visitas a diversas famílias.

A adesão de Cassol a campanha de Clovis é positiva por dois motivos simples:

Primeiro, Cassol é uma das principais lideranças políticas da história de Campo Novo, no período em que esteve prefeito a cidade viveu um 'boom' de desenvolvimento com a instalação de empresas como a Yoki Alimentos e a geração de milhares de empregos;

Além disso, Cassol é gerente agrícola da principal empresa do município, a Coprodia e possui respeitosa influência sobre milhares de eleitores.

sábado, 3 de setembro de 2016

Renato Gouveia é oficializado como candidato a vice de Junqueira em substituição a Bezerra

Junqueira postou fotografia ao lado de Gouveia
Nem Waltemir Picoli nem o vereador Rogério Silva (PMDB). A coligação “Tangará em Boas Mãos” divulgou a pouco em sua página oficial no Facebook a informação de que escolheu para o cargo de vice-prefeito na chapa encabeçada pelo atual prefeito e candidato a reeleição Fábio Junqueira (PMDB), o Engenheiro Sanitarista Renato Gouveia (PR).

“Gouveia ama essa cidade e já apoiava a coligação Tangará em Boas Mãos. Seja bem-vindo Renato”, escreveu a assessoria da candidatura de Junqueira na página.

Renato Gouveia é ex-vereador, já foi filiado ao PSDB de Vander Masson e atualmente subirá em palanque de lado oposto ao partido que pertenceu até recentemente.

O ex-vereador entra no páreo após a 'desistência' do vereador Wellington Bezerra (PMB).

Na minha humilde opinião, a entrada de Gouveia na disputa deve preocupar, com razão, os demais candidatos a prefeito. Renato ficou conhecido nos anos 2000 quando ao lado de outros vereadores afastou simplesmente o ex-prefeito Jaime Muraro (DEM).

O páreo vai ser duro!

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Junqueira e Picoli são investigados devido à fraude em alíquota do IPTU para favorecer parentes

Notícia é destaque na imprensa estadual
O site de notícias RD News destacou uma nova denúncia contra o prefeito e candidato a reeleição Fábio Junqueira (PMDB).

O caso está sob análise do Ministério Público Estadual e da Câmara municipal. O servidor público Claudemir de Souza protocolou uma petição, noticiando possíveis atos de improbidade administrativa envolvendo o gestor, a secretária municipal de Fazenda Valnicéia Maria Picoli Barbosa, bem como o marido e irmão, além de mais uma pessoa e uma empresa.

Embora o prefeito conste na denúncia do servidor, o documento não deixa claro qual seria, de fato, a participação do prefeito na irregularidade apontada, contudo, por ser gestor, Fábio pode acabar respondendo pelos supostos atos de improbidade.

Segundo a denúncia, a secretária estaria usando de “poderes inerentes ao cargo público, ou sendo conivente com a prática, para desobrigar-se parcialmente do IPTU que incide anualmente sobre suas propriedades”. Também são apontados como beneficiários Antônio Carlos Barbosa e Waltemir Clovis Piccoli, respectivamente irmão e marido de Valnicéia, além da empresa Piccoli Transporte Ltda EPP e Luiz Carlos Broggio. As alterações nos dados da secretaria teriam sido feitas sem autorização do Legislativo municipal. A base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel.

Conforme previsto na legislação de Tangará, as alíquotas de IPTU são progressivas de acordo com as peculiaridades dos imóveis. Neste contexto, o denunciante afirma que Valnicéia Picoli e Antônio Carlos possuem dois imóveis em seus nomes. Com relação ao imóvel de Valcineia, teria sido detectado que ela paga alíquota de 2%, enquanto o previsto para os imóveis em condições semelhantes pagam taxa de 2,5%, pois trata-se de terreno não edificado.

Quanto ao marido, a mesma situação teria sido registrada. Conforme demonstrado no documento, Antônio Carlos paga alíquota de 1% enquanto o correto seria de 1,2%. O irmão da secretária, por sua vez, é citado na petição como dono de quatro imóveis, sob os quais paga alíquotas de 1% em cada, enquanto o percentual certo deveria ser de 1,2% em cada imóvel.

Com relação ao imóvel registrado em nome da Piccoli Transporte Ltda EPP, a empresa também estaria pagando ao invés de 1,2%. “A sociedade empresária supra, ao que parecem pertence à família da secretária municipal de Fazenda”, diz trecho da petição. Ainda segundo a denúncia, o mesmo ocorre com um imóvel de Luiz Carlos Broggio, que paga 1% no lugar de 1,2%, que lhe seria devido.

Em seguida, no documento, o servidor cita o artigo 97 e incisos da Lei Complementar nº 5.172 de outubro de 1966, que dispõe que somente uma lei pode determinar a “extinção de créditos tributários, ou dispensa, ou redução de penalidades”.

Por fim, o servidor que formulou a petição propõe que, “tendo em vista a prática de atos com aparência de ilegalidade”, sejam averiguados, e se constatada a improbidade com lesão ao erário, sejam tomadas as providências legais. Além disso, pediu a instauração de uma comissão especial de inquérito para investigar o caso.

Outro lado

Procurado pelo RD News, o prefeito chegou a atender uma das ligações, no entanto, ao que parece, a ligação perdeu a conexão. Em outras tentativas ao celular de Fábio, as chamadas não foram atendidas. Em contato com a prefeitura à procura pela secretária, a informação é de que a mesma está em horário de almoço e que não é possível passar recado.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Mordaça: Coligação de Junqueira tenta silenciar blogueiro que se opõe a ele

Parece que o prefeito de Tangará da Serra, candidato a reeleição, Fábio Junqueira (PMDB) quer mesmo calar a todos. Depois das sucessivas tentativas de calar este blog, Junqueira e seus correligionários partiram para cima do blogueiro Edésio Adorno, do Blog Bronca Popular

Na tentativa de amordaçar o blogueiro, a coligação do candidato tentou na Justiça calar a voz de quem fala verdades sobre a administração de Junqueira. Não deu muito certo, pois a Justiça negou a mordaça e deu um ponto a mais para a liberdade de expressão.


Segue abaixo a reportagem publicada pelo blogueiro Edesio Adorno na Bronca Popular:

A Coligação “Tangará em Boas Mãos” que tem o prefeito Fabio Martins Junqueira (PMDB) como candidato a reeleição recorreu à justiça eleitoral para silenciar este Blog. A defesa da coligação apresentou três representações com pedido de liminar requerendo o que não se pleiteia em um país civilizado, democrático, plural que tem na “liberdade de expressão” um conceito fundamental e um desprezo implacável a censura.

O judiciário jamais servirá de escudo para proteger homens pusilânimes do escrutínio popular. É dever imperioso de todo e qualquer agente público, principalmente os que se aventuram em eleições e se submetem ao crivo das urnas, prestar contas de seus atos e feitos.

A campanha eleitoral não é um período propício apenas para distribuir santinhos, fazer reuniões em comunidades, afagar eleitores, mostrar lindos sorrisos, dar tapinhas nas costas e fazer belos discursos.

A campanha eleitoral serve pra tudo isso, mas deve ser usada imprescindivelmente para discutir e debater planos, projetos e propostas de governo. Somente os que nada tem para mostrar fogem dos debates e embates populares.

CENSURA PRÉVIA – Leia o pedido que a coligação fez ao juiz eleitoral. Comento em seguida.

“A concessão de liminar ‘inaudita altera pars’ com o intuito de determinar os representados a se abster de divulgar qualquer matéria referente ao candidato FÁBIO JUNQUEIRA e, por conseguinte, que seja deferido e sede de liminar o direito de resposta com o mesmo espaço e dobro do tempo em exposição”.

COMENTO - Dois pedidos. O primeiro é juridicamente impossível por encontrar óbice intransponível no Art. 5º da Constituição Federal que não abre espaço para censura prévia e o segundo é desnecessário. Direito de resposta tem garantia legal e não há necessidade de provocar o judiciário, conforme a Lei 13.188/2015. Claro, essa lei é nova e talvez ainda não seja do conhecimento da defesa da coligação.

A MAGISTRAL DECISÃO DO MAGISTRADO – O juiz eleitoral de Tangará da Serra, João Francisco Campos de Almeida, assim afastou a pretensão da coligação de Fábio Junqueira:

“Nota-se que a notícia veiculada faz expressa menção a coligação requerente, contudo, ainda em sede de cognição superficial, não constatei nenhuma informação manifestamente contrária aos ditames legais, muito menos apta a causar dano irreparável ou de difícil reparação aos requerentes. Sendo assim, INDEFIRO a liminar vindicada.”


Em resumo, decidiu o douto magistrado com acerto, brilhantismo técnico e jurídico ao sepultar a descabida pretensão de se implantar censura previa em Tangará da Serra, conforme pretendia a coligação que tem Fábio Junqueira como candidato a reeleição de prefeito.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Eleições 2016: Em Campo Novo, candidatura de Clovis recebe apoio dos ex-prefeitos Cassol e Stefanello

A candidatura de Clovis de Paula (PSDB) a prefeito de Campo Novo do Parecis recebeu nas últimas semanas o apoio de duas personalidades de peso na região, os ex-prefeitos Jesur José Cassol e Sérgio Stefanello, que governaram o município entre 2000 e 2008.

Tanto Cassol quanto Stefanello, inclusive, gravaram mensagens de apoio a candidatura de Clovis de Paula, mensagens que foram ou vão ao ar nos programas eleitorais de Clovis de Paula durante esta semana. Os vídeos também estarão disponíveis nas redes sociais.

“O Clovis foi vereador quando eu exerci o cargo de prefeito e ele é muito atuante, vai em busca dos benefícios, dos recursos para Campo Novo. Tenho certeza que ele será um bom prefeito, por isso resolvi apoiá-lo, está preparado e acima de tudo gosta do que faz”, falou Sérgio Stefanello, prefeito entre 2006 e 2008.

“Ele [o Clovis] conhece os caminhos, tem conhecimento em Brasília, no Congresso, na Câmara dos Deputados, tem abertura com o governo do estado e tenho certeza que é o mais preparado para governar Campo Novo”, disse o ex-prefeito Cassol (2000/2006).

Eleições 2016: Alta rejeição faz Bezerra retirar candidatura a vice-prefeito de Junqueira

Bezerra sai da disputa por causa da rejeição
O vereador Wellington Bezerra (PMB), foi praticamente enxotado pelo PMDB de Tangará da Serra e não é mais o candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pelo candidato a reeleição Fábio Junqueira (PMDB).

A informação é de membros do próprio Comitê de Junqueira. "Ele [Bezerra] preferiu retirar a candidatura a vice para não prejudicar Fábio", disse o presidente do PRB, partido coligado, Silvano Ferreira.

Uma fonte do blog revelou que a 'desistência' foi por livre e espontânea pressão depois que o vereador apareceu com altíssima rejeição em pesquisa encomendada pela coligação de Junqueira.

Partidos aliados de Junqueira se reuniram ainda esta noite para tratar do assunto.

Resta saber quem irá substituir Bezerra na disputa!

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Reck Júnior é um dos 20 candidatos a prefeito mais ricos de MT; veja quanto declarou cada candidato

Arte: Mário Okamura/Rdnews
O candidato a prefeito de Tangará da Serra Reck Júnior (PSD) é um dos 20 mais ricos entre os 266 candidatos que disputam o comando das prefeituras de Mato Grosso, nas eleições deste ano. Além de Reck, outros 18 declararam patrimônio avaliado em mais de R$ 10 milhões, segundo levantamento feito pelo site Mídia News.

Os dados foram divulgados pelos candidatos através do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), junto ao pedido de registro de candidatura de cada um.

Conforme consta na plataforma digital do TSE, entre os candidatos que já apresentaram sua declaração de bens, Reck declarou R$ 11,6 milhões em patrimônio, a maior parte de seus bens são referentes a veículos, como caminhão, trator, automóvel e colheitadeira.

Entre os bens de maior valor estão uma área de terras rural, de pouco mais de 3 mil hectares, no valor de R$ 9,2 milhões, e outra área denominada Porto Feliz, no valor de R$ 500 mil, além de um terreno no Bairro Cidade Alta IV, no valor de R$ 400 mil.

Entre os demais candidatos de Tangará da Serra, Vander Masson (PSDB) é o segundo em bens declarados. O tucano declarou R$ 4,9 milhões, Junqueira (PMDB) declarou R$ 999,9 mil e Sílvio Sommavilla (PDT) declarou R$ 200 mil.

OS PRIMEIROS
Otaviano Pivetta (PSB), de Lucas do Rio Verde é disparado o candidato com maior fortuna.

Os bens de Pivetta totalizam mais de R$ 359 milhões. A lista inclui propriedades rurais, participações em empresas e créditos em contas bancárias.

Os bens de maiores valores são uma quota Agropecuária Margarida Ltda., no valor de R$ 127 milhões, crédito decorrente de empréstimo no valor de R$ 198 milhões e quotas na OP Participações e Investimentos Ltda., no valor de R$ 3,5 milhões.

Em segundo lugar está Carlos Capeletti (PSD), de Tapurah, com patrimônio avaliado em mais de R$ 113 milhões.

Capeletti atua no ramo do agronegócio e possui propriedades rurais em várias cidades do Estado.

O terceiro lugar da lista dos candidatos “mais ricos” de Mato Grosso é ocupado pelo atual prefeito de Sorriso (420 km de Cuiabá), Dilceu Rossato (PSB).

Rossato é candidato à reeleição e teve um aumento de quase 73% em seu patrimônio desde o início de seu mandato.

Em 2012, sua declaração ao TSE apresentava bens estimados em R$ 52 milhões. Este ano, este valor subiu para mais de R$ 91 milhões.

Também fazem parte da declaração de bens de Rossato: 17 veículos, 141 máquinas agrícolas, além de diversos imóveis, entre fazendas e apartamentos.

OUTROS
Integram o elenco dos candidatos à prefeito milionários Francis Maris (PSDB), de Cáceres; Luiz Binotti (PSD), concorrente de Pivetta em Lucas do Rio Verde; Antonio Cesar (PP), de Campo Verde; Dalton Martini (PP) e Roberto Dorner (PSD), ambos de Sinop; Lucimar Campos (DEM), de Várzea Grande; Toni Dubiella (PMDB), de Feliz Natal; Voney Goiano (SD), de Gaúcha do Norte; Parassu (PMDB), de Luciara; Adriano Pivetta (PDT), de Nova Mutum; Toni Mafini (PSDB), de Novo Mundo; Augusto Jordão (PMDB), de Novo São Joaquim; Gilmar Wentz (PMDB), de Querência; Miguel Brunetto (PR), de Santo Antonio do Leste; e Luiz Carlos Castelo (PTB), de São José do Xingu.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Famílias sem-teto invadem e acapam em duas áreas nos jardins Morada do Sol e Barcelona

Um grupo de aproximadamente 100 famílias sem-teto invadiu duas áreas que juntas somam cerca de 20 mil metros quadrados nos jardins Morada do Sol e Barcelona. As invasões ocorreram durante a noite desta segunda-feira, 15, e a manhã desta terça-feira, 16. Muitos moradores armaram barracas ainda durante a noite e pousaram nos locais invadidos.

Veja fotografias no final da matéria.

Barracas de lona foram armadas e terrenos foram divididos e demarcados com estacas.

A maioria dos invasores contaram que são cadastrados no CadÚnico da Secretaria Municipal de Assistência Social e que esperam pela casa própria há anos.

Três quarteirões foram invadidos na avenida principal do Jardim Morada do Sol, em frente a Unidade de Saúde da Família (USF) do bairro. A informação é de que a área pertence a Prefeitura Municipal.

Uma terceira área foi invadida nesta manhã em frente ao Residencial Barcelona. A área compreende a um terreno de cerca de 50 metros de largura por 400 metros de comprimento.

"Recebemos a informação de que a Prefeitura ia cortar os lotes e resolvemos invadir. Tem família aqui que está esperando há cinco, dez anos por um terreno ou uma casa e não é contemplada", contou um dos sem-teto.

Informações que correm entre os invasores que estão acampados no local é de que a própria Secretaria de Assistência Social e o prefeito Fábio Junqueira (PMDB) recomendaram a invasão.

Novos invasores chegam a todo o momento no bairro.








Último a registrar candidatura, Sílvio Sommavilla comparece sem seu vice ao Cartório Eleitoral

O vereador e presidente da Câmara Sílvio Sommavilla (PDT) foi o último a regiastrar candidatura a prefeito de Tangará da Serra. Sommavilla chegou ao Cartório Eleitoral faltando apenas 20 minutos para as 19:00, horário limite para os pedidos de registro.

Sommavilla compareceu desacompanhado de seu candidato a vice-prefeito Júnior Pimenta (PT). Somma justificou que Pimenta estava viajando, por isso a sua ausência.

Em entrevista, o pedetista falou que aceitou o desafio por entender que a administração pública precisa passar por mudanças.

"Temos uma história de administrações que deixaram a desejar, construímos um Plano de Governo com 12 eixos que irão nortear uma gestão diferente", destacou.

A coligação de Sommavilla e Pimenta conta apenas com PDT e PT e apresentou 20 candidatos a vereador.

A coligação aguarda agora o deferimento da chapa pela Justiça Eleitoral.

Ao lado de Bezerra, Fábio Junqueira registra candidatura a prefeito de Tangará

O atual prefeito e candidato a reeleição Fábio Junqueira (PMDB) compareceu ao Cartório Eleitoral por volta das 17:30. Acompanhado do candidato a vice-prefeito Wellington Bezerra (PMB), Fábio foi o terceiro e penúltimo a entrar com pedido de registro de candidatura.

Ele falou com a imprensa, evitou falar sobre a falta e o racionamento de água e a falta de medicamentos básicos nas unidades de saúde, destacou investimentos feitos na saúde nos últimos quatro anos e a pavimentação de ruas de bairros e distritos.

"Triplicamos o número de postos de saúde e construímos quase um milhão de metros quadrados de asfalto", destacou.

Bezerra comentou sobre a candidatura a vice de Fábio e destacou que pretende contribuir com o desenvolvimento da cidade.

Junqueira, Bezerra e os 28 candidatos a vereador da coligação aguardam o deferimento das candidaturas pela Justiça Eleitoral.

Ao lado de Clarice Grapeggia, Vander Masson registra candidatura a prefeito de Tangará

O empresário Vander Masson (PSDB) foi o segundo a entrar com pedido de registro de candidatura a prefeito de Tangará da Serra na Justiça Eleitoral.

Vander chegou ao Cartório Eleitoral, por volta das 11:30 desta segunda-feira, 15, ao lado da sua candidata a vice-prefeita Clarice Grapeggia (PTB), de candidatos a vereador e correligionários da Coligação Juntos por Tangará.

Após cerca de 40 minutos Vander e Clarice já pousaram para fotografias e imagens da imprensa com o protocolo das candidaturas.

Em entrevista, Vander voltou a defender que uma administracão se faz com diálogo, se propôs a ouvir a população e administrar junto com o povo. Destacou como prioridade setores como Saúde, Esportes, geração de empregos e abastecimento de água.

"Nosso povo tá clamando por saúde e nós iremos priorizar a saúde", disse. Ele falou ainda em voltar a investir nos esportes de base, nas escolinhas e apoiar associações e equipes independentes e profissionais.

Para a indústria, Vander se propôs a buscar novos investimentos no setor industrial, atraindo empresas e valorizando as que já existem aqui.

Ao ser questionado sobre o abastecimento de água, tema que dominou as discussões na cidade depois que o atual prefeito decretou racionamento e multa aos moradores, Vander disse que quatro anos são suficientes para solucionar o problema. "Vamos fazer um estudo e criar um projeto que resolva esse problema, vamos buscar recursos com o Estado e o Governo Federal", defendeu

Agora, Vander, Clarice e a Coligação Juntos por Tangará aguardam o deferimento dos registros de candidaturas.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Reck Júnior declara à Justiça Eleitoral patrimônio de mais de 11 milhões de reais

Fonte: Folha Max

Candidato a prefeito em Tangará da Serra, o sojicultor Vanderlei Reck Junior (PSD) declarou possuir patrimônio estimado em R$ 11,6 milhões. De acordo com dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e que constam no pedido de registro de candidatura dele, a maior parte de seus bens são referentes a veículos, como caminhão, trator, automóvel e colheitadeira.

Entre os bens de maior valor estão uma área de terras rural, de pouco mais de 3 mil hectares, no valor de R$ 9,2 milhões, e outra área denominada Porto Feliz, no valor de R$ 500 mil, além de um terreno no Bairro Cidade Alta IV, no valor de R$ 400 mil. O candidato ainda possui quotas de participação na empresa Afropecuária V.R S/A, no valor de R$ 1 mil, e quotas junto ao Banco Sicredi, no valor de R$ 3,3 mil.

Natural de Loanda, no Paraná, Reck Junior tem 36 anos, se declarou pardo, casado e com superior incompleto. Ele lidera a coligação “Tangará Pode Mais”, com os partidos PSD, PSB, DEM, PP, PSC, PPS e PROS. Já os dados de sua vice, a vereadora Azenate Carvalho, não constam nos dados do TSE.


Os candidatos a prefeito no município terão R$ 279 mil como teto de gastos, conforme determinação do TSE.

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Blog do Rolim.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Efeito do racionamento: Falta de abastecimento de água faz Marfrig diminuir abate pela metade

Um dia depois que o prefeito Fábio Junqueira (PMDB) emitiu decreto que prevê racionamento de água e coloca o abastecimento em estado de emergência em Tangará da Serra,  o Frigorífico Marfrig, que abate 1.500 cabeças de gado por dia, reduziu para 850 o número de abates e concedeu férias coletivas para um turno inteiro. A informação é do blog A Bronca Popular, do articulista Edesio adorno.

O frigorífico, que assim como o Samae utiliza água do Rio Queima-pé, já enfrenta dificuldades de abastecimento e resolveu frear o abate para não sofrer ainda mais nos próximos meses quando a seca se intensifica.

A decisão do frigorífico, segundo o blogueiro, pegou muitos pecuaristas de surpresa. A previsão de planta para abate somente com 45 dias é outro complicador para o setor. Sem abate, os fazendeiros serão obrigados a remanejar o gado para outros frigoríficos, o que gera custos adicionais e acarreta prejuízos a cidade, principalmente com a possibilidade de demissão e de fuga de receita tributária para outros municípios.


A Anhambi Agro Industrial – ligada a JBS – experimenta drama semelhante, informou Edesio e sem água, também desacelerou o ritmo de funcionamento do frigorífico de frangos. Com a diminuição da quantidade de abates e de processamento da carne de frangos, a concessão de férias coletivas deve ser a primeira consequência. Para os parceiros a situação se descortina sombria e desalentadora.

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Blog do Rolim.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Racionamento de água em Tangará: o povo será penalizado pela incompetência administrativa?

E mais uma vez o povo de Tangará da Serra enfrenta a infeliz realidade do racionamento de água. A exemplo do ano passado, o prefeito Fábio Junqueira (PMDB) e o diretor do Samae Wesley Torres emitiram decreto determinando o racionamento de água tratada no município por prazo indeterminado para residências, indústrias e comércios.

Para completar, o Governo Municipal ainda decretou estado de emergência. Será que a situação é grave?

Ocorre que em 2016, a crise é ainda pior do que em 2015. O fato notório já que no ano passado o racionamento começou somente em outubro. Este ano, tão grave é a situação que o Governo Municipal resolveu antecipar o racionamento para agosto.

Mas por que racionar água em Tangará da Serra, cidade cravada no meio de uma das principais bacias hidrográficas de Mato Grosso? Há quem diga que isso é fruto da incompetência administrativa, total falta de inteligência gestora e falta de planejamento em curto, médio e longo prazo.

O fantasma do racionamento já bate à porta dos tangaraenses há vários anos e a gestão pública da água, sob o comando de Junqueira e Torres, não deu a devida importância para a situação. Resultado? O povo vai ter que pagar a conta, não é mesmo?

E de fato, a população vai ter que pagar a conta.

Além de pagar um absurdo pela água que consome desde o ano passado quando Junqueira aumentou o preço da tarifa em 31,18%, agora os tangaraenses poderão ser até multados.

Economizar água é importante e deve ser da natureza humana, mas por que o povo tem que ser penalizado? É culpa da população a inércia da gestão pública diante de uma situação que já vinha sendo anunciada?

O orçamento do Samae cresceu consideravelmente desde o reajuste de Junqueira em 2015 e não há mais desculpas para faltar água. Aumentou a arrecadação, mas por que não houve investimentos no setor? E se houve não foram suficientes. 

Quando em 2015, ao defender o reajuste da água, o prefeito Fábio afirmou que com mais orçamento seria possível melhorar o sistema de captação e abastecimento de água, porém, parece que piorou, já que o racionamento este ano começou 45 dias mais cedo.

O Samae hoje possui uma gestão extintor de incêndio...só resolve problemas pontuais, sem planejar a resolutividade permanente ou a longo prazo da situação.

E não adianta dizer que o problema está sendo resolvido. Se começaram a resolver, foi um pouco tarde e o povo não pode pagar essa conta pela incompetência de uma gestão.


ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Blog do Rolim.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Clóvis de Paula, Rafael Machado e Dila disputarão eleição em Campo Novo do Parecis

Rafael Machado (PSD);
Dila (PR);
Clóvis de Paula (PSD)
Demorou, mas finalmente saíram os nomes dos candidatos que deverão disputar a eleição 2016 a prefeito em Campo Novo do Parecis. Três chapas foram definidas nas convenções partidárias no final de semana, entretanto, a oficialização só ocrreu hoje à tarde.

O primeiro a definir candidatura a prefeito foi o vereador Clóvis de Paula (PSDB), que terá como candidato a vice-prefeito o também vereador Leandro Martins (DEM). A coligação dos candidatos é composta ainda por SD, PP, PSB e PSC.

Rafael Machado (PSD) também anunciou candidatura a prefeito e terá como candidato a vice-prefeito Dhemis Rezende (PV). A coligação dos candidatos é composta ainda por PDT, PTB, PPS, PMDB e PT.

A atual vice-prefeita Edlamá Batista Marques, a Dila (PR) também irá disputar a eleição e terá como vice o comerciante Itacir Rombaldi (PRB).O PMB ainda acompanha a dupla nessa coligação.

As surpresas ficaram por conta do PMDB de Mauro Berft, atual prefeito, que não quis acompanhar Dila na coligação e acabou se achegando a coligação de Clóvis de Paula. Outra surpresa foi a desistência do comerciante Sebastião Carlos Pim (PSB), que ainda na semana passada desistiu da candidatura. 


As coligações tem até o próximo dia 15 para registrarem suas respectivas candidaturas na Justiça Eleitoral.

(Com informações do Parecis.Net)

sábado, 6 de agosto de 2016

Palanque de Reck Júnior mais parecia o filme “A vingança dos derrotados”

Palanque tinha Azenate, derrotada em 2008; Jolando, derrotado em 2012;
Luiz Henrique, derrotado em 2011; Muraro, derrotado na Justiça e; o próprio Reck, derrotado em 2015 na Aprosoja
O palanque do agora candidato a prefeito de Tangará da Serra Reck Júnior (PSD) mais parecia uma cena do filme “Transformers II: A vingança dos derrotados”. Não consigo entender como Reck e o deputado estadual Wagner Ramos (PSD) conseguiram colocar num único palco tantos derrotados.

A começar por Azenate Carvalho (PSB), que foi candidata a prefeita em 2008 e acabou derrotada por Júlio César Ladeia; depois veio Luiz Henrique (PSB), que em 2011 disputou candidatura a prefeito em uma eleição indireta e acabou derrotado pelo atual deputado estadual Saturnino Masson (PSDB); Rubens Jolando disputou candidatura a prefeito e foi derrotado na eleição de 2012 pelo atual prefeito Fábio Junqueira (PMDB) e pelo próprio Saturnino.

Jaime Muraro (DEM) também se enquadra na lista de derrotados. A diferença é que Muraro não foi derrotado nas urnas, mas sim na Justiça. Primeiro, ele foi afastado por irregularidades quando era prefeito na década passada e depois teve sua candidatura a prefeito negada em 2008. O nome de Muraro aparece na lista do TSE de políticos proibidos de se candidatar, pois são fichas-sujas.

Para completar, o próprio Reck Júnior (PSD) vem de uma recente derrota política. Em 2015, o produtor rural foi derrotado na eleição para a presidência de uma das maiores entidades de MT, a Aprosoja.


Agora, estão todos no mesmo palanque e devem estar com sede de vingança.

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Blog do Rolim.

Oposição comemora indicação de Bezerra a vice de Junqueira: “Não soma, subtrai"

Bezerra é vice de Junqueira
Foto: Frank Bezerra
Partidários da oposição em Tangará da Serra comemoraram a oficialização do vereador Wellington Bezerra (PMB) como candidato a vice-prefeito de Fábio Junqueira (PMDB). No entendimento dos opositores e até de eleitores declarados de Junqueira, Bezerra não somará muita coisa, mas sim poderá subtrair votos do atual prefeito.

“Não agrega quase nada, pelo contrário, subtrai”, disse um deles. “Eu votava no Fábio, mas com esse vice aí fica difícil”, comentou outro.

Até mesmo o PMDB rejeitava a indicação de Bezerra. Só aceitaram porque não tinham outra opção.

Bezerra se articulou por quase 90 dias com outros quatro partidos políticos: PRB, PRB, SD e PTB. O PTB, quando percebeu que vinha sendo usado por ele para ganha uma moralzinha e ser vice do Fabinho, caiu fora do blocão e acabou fechando com Vander Masson (PSDB) e indicou Clarice Grapeggia como candidata a vice-prefeita.

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Blog do Rolim.