terça-feira, 27 de setembro de 2016

Em depoimento, policiais confirmam que Rafael fazia campanha irregular quando foi flagrado por promotor

Em depoimento ao MPE, policial confirmou que Rafael, Dhemis e PIM
faziam campanha irregular na Cia de Polícia Militar
Foto: Reprodução MPE/MT
Em declarações feitas durante depoimentos ao promotor eleitoral de Campo Novo do Parecis, Luiz Augusto Ferres Schimith, dois policiais militares confirmaram que o candidato a prefeito Rafael Machado (PSD) estava de fato fazendo campanha política irregular no interior da Companhia de Polícia Militar da cidade.

Os termos de declaração, assinados pelos policiais, fazem parte do processo que tramita na Justiça Eleitoral onde o Ministério Público Estadual (MPE) denuncia Rafael Machado pela prática de crime eleitoral, pede que o mesmo seja multado e que seja cassado o seu registro de candidatura.

"Que o declarante [policial militar] achou estranho o discurso político dentro da Companhia da Polícia Militar, mas ficou no local pois é subordinado e cumpre ordens”, diz trecho da declaração de um deles.

O policial confirmou ainda que Rafael possuía propaganda eleitoral grudada na camiseta e que “a reunião estava ocorrendo a portas fechadas para que o barulho da cozinha não interferisse na fala das pessoas [candidatos] que iriam discursar".

O outro policial militar disse ainda que Rafael declarou ser candidato desconhecido e queria se apresentar aos agentes de segurança com o intuito de convencê-los ao voto. “O declarante [policial militar] acredita que o candidato Rafael possa ter tido uma informação privilegiada", diz trecho da declaração do segundo policial.

Ainda de acordo com o depoimento, em nenhum momento o Tenente Coronel Antonio Givaldo de Souza, comandante da PM, pediu para que o candidato Rafael saísse do local, em descumprimento ao que determina a Legislação Eleitoral. Inclusive, quando o promotor eleitoral chegou, o comandante da PM estava posicionado ao lado de Rafael, enquanto este discursava.
O próprio promotor eleitoral fotografou candidato
assustado após ser flagrado em ato ilícito

 O CASO
O fato ocorreu no dia 14 de setembro, Rafael Machado foi flagrado pelo próprio promotor eleitoral, que reside ao lado da Companhia de Polícia Militar, enquanto fazia campanha irregular no local público, o que e estritamente proibido pela Justiça Eleitoral, mais especificamente pelo Artigo 73 da Lei Nº 9.504/97.

O promotor chegou no momento em que Rafael discursava para todos os policiais da Companhia, inclusive aos que estariam de folga naquele dia. O próprio promotor fotografou o candidato Rafael em ato ilícito.

A representação do Ministério Público, com pedido de condenação, tramita na 60ª Zona Eleitoral de Mato Grosso com o Nº 131-18.2016.6.11.0060, sob a responsabilidade da juíza eleitoral Cláudia Anffe Nunes da Cunha.